terça-feira, janeiro 12, 2010

Bembelelém, Viva Belém Paid'égua!


Palacete Bolonha no olhar de Edinaldo Silva.



Hoje nossa morena Belém está no berço. Quase 400 anos e nem parece. Sempre formosa e com o mesmo poder de me emocionar com os detalhes de sua arquitetura, seus casarões, suas praças que marcaram minha infância. Nasci aqui e provavelmente vou morrer aqui. Todas as vezes que viajo e navego por outros mares, vou com a certeza de que volto. E isso me energiza, me nutri de amores, para conviver com minha família e inspirar minhas canções.
Só estou "embatucado" com uma coisinha; Queria saber se Salvador, Recife, Porto Alegre, Rio de Janeiro e outras cidades, comemoram seus aniversários com artistas de outros estados. Acho que essa comemoração está "pur demais capenga", com monte de artistas de fora, que não tenho nada contra, mas aniversário da nossa cidade tem que ser comemorado por nós, artistas paraenses, que convivemos e aprendemos a amá-la com todas as virtudes e defeitos, e nos embebedamos com sua beleza, paisagens, cultura, com nosso povo. É por isso que a cantamos com nossa alma. Apesar dos pesares,TE AMO! BEMBELELÉM!VIVA BELÉM!

Bom Dia Belém
Edyr Proença/Adalcinda Camarão

Há muito que aqui no meu peito
Murmuram saudades azuis do teu céu
Respingos de ausência me acordam
Luando telhados que a chuva cantou
O que é que tens feito
Que estás tão faceira
Mais jovem que os jovens irmãos que deixei
Mais sábia que toda a ciência da terra
Mais terra, mais dona do amor que te dei

Onde anda meu povo, meu rio, meu peixe
Meu sol, minha rêde, meu tamba-tajá
A sesta o sossego da tarde descalça
O sono suado do amor que se dá
E o orvalho invisível na flôr se embrulhando
Com medo das asas do galo cantando
Um novo dia vai anunciando
Cantando e varando silêncios de lar

Me abraça apertado, que eu venho chegando
Sem sol e sem lua, sem rima e sem mar
Coberta de neve, lavada no pranto
Dos ventos que engolem cidades no ar
Procuro o meu barco de vela azulada
Que foi de panada sumindo sem dó
Procuro a lembrança da infância na grama
Dos campos tranquilos do meu Marajó

Belém minha terra, minha casa, meu chão
Meu sol de janeiro a janeiro a suar
Me beija, me abraça que quero matar
A doída saudade que quer me acabar
Sem círio da virgem, sem cheiro cheiroso
Sem a "chuva das duas " que não pode faltar
Cochilo saudades na noite abanando
Teu leque de estrelas, Belém do Pará!



Trechos da carta de Mário de Andrade a Manuel Bandeira, quando de sua visita à Belém em 1927.

Belém, junho de 1927

Querido Manu,

Estamos numa paradinha pra cortar canarana da margem pros bois de nossos jantares. Amanhã se chega em Manaus e não sei que mais coisas bonitas enxergarei por este mundo de águas. Porém me conquistar mesmo a ponto de ficar doendo de desejo, só Belém me conquistou assim. Meu único ideal de agora em diante é passar uns meses morando no Grande Hotel de Belém. O direito de sentar naquela terrasse em frente das mangueiras tapando o Teatro da Paz, sentar sem mais nada, chupitando um sorvete de cupuaçu, de açaí, você que conhece mundo, conhece coisa melhor do que isso, Manu? Me parece impossível.
Olha que tenho visto bem coisas estupendas. Vi o Rio em todas as horas e lugares, vi a Tijuca e a Stª. Teresa de você, vi a queda da serra pra Santos, vi a tarde de sinos em Ouro Preto e vejo agorinha mesmo a manhã mais linda do Amazonas. Nada disso que lembro com saudades e que me extasia sempre ver, nada desejo rever com uma precisão absoluta fatalizada do meu organismo inteirinho. (...)

\"Quero Belém como se quer um amor. É inconcebível o amor que Belém despertou em mim. E como já falei, sentar de linho branco depois da chuva na terrasse do Grande Hotel e tragar o sorvete, sem vontade, só para agir\"

Um comentário:

LÉA PARAENSE SERRA disse...

Estou à procura da composição "Estou só" (1971) de Pedrinho Cavalléro para fazer uma postagem no lemaposerra.blogspot.com, em homenagem aos 40 anos da Escola Deodoro de Mendonça em 30 de janeiro passado. Identifico-me como professora de Sociologia há 20 anos na referida Escola.

Tenho pesquisado sem sucesso. Seria possível ajudar-me?

Agradeço!